domingo, 29 de junho de 2014

Acumulou.

  Estou me sentindo em 2010, quando eu escrevia sobre tudo aqui no blogger, como se fosse um diário. Esse texto não era para sair, não deveria render tanto assunto, mas a verdade é que meus pensamentos estão acumulados e precisam sair de alguma forma, parte de mim sabe que hoje era o dia de postar o Sentimento do mundo, mas a outra parte sabe que isso pode esperar mais um pouco. Pode esperar porque se eu não falar tudo que está acumulado aqui dentro acabarei enlouquecendo, ainda mais. E esse texto está me dando um trabalho dos infernos (única forma que encontrei para expressar intensidade sem incluir palavrões, pois é.) E pra deixar claro, bem claro, ele não faz sentido e fala sobre muitos assuntos, muitos assuntos mesmo, pois dentro de mim cabe coisa pra caramba. E provavelmente você cansará antes de terminar de ler, mas tudo bem, te entendo e não irei te culpar por isso.
  Ontem durante uma madrugada de insônia coloquei meu celular para tocar no aleatório, dizem que quando se está morrendo nós vemos a nossa vida passar diante de nossos olhos, isso acontece comigo toda vez que escuto uma música que me marcou de alguma forma.
  Meu gosto musical não mudou quase nada, apesar de viver de momentos, escuto uma mesma banda repetidas vezes por muito tempo, e aí paro, e depois de meses repito o processo. Escutar em aleatório trás a tona todas as memórias de tantos momentos.
  Eu gosto de coisas que as pessoas jamais imaginariam, principalmente música, enquanto a playlist foi rodando e as memórias chegando, tentei guardar em algum quanto da mente a ordem que as músicas iam aparecendo: Beatles, Green Day, Tchaikovsky (Tenho poucas músicas dele, confesso, e são as clássicas do musical O lago dos cisnes),  Pearl Jam, Jay Vaquer, Glee, Lilly Allen, CPM 22, Los Hermanos, Lady Gaga, Oasis,  Carla Bruni, Yann Tiersen (por conta da minha paixão pela dança clássica.) e em certo momento me perdi, era muita música, horas de muita informação no escuro do meu quarto. Meu gosto musical é um mar de contradições, eu sou um mar de contradições e indecisões acho que por isso troquei a foto desse post umas mil vezes até me aquetar com uma de autoria própria, tenho certeza que tirei essa foto enquanto ouvia a trilha sonora de um dos meus filmes preferidos, O fabuloso destino de Amélie Poulain, a música clássica e a frança me fazem dobrar o amor pelo balé, e essa sapatilha foi a primeira sapatilha de ponta que chamei de minha, por outro lado as pessoas me conhecem apenas com um velho all star no pé e o rock'n'roll fazendo barulho nos fones de ouvido. Mas de fato, nunca me importei com isso, nunca me importei em ser tanta coisa ao mesmo tempo, ter tantas personalidades em mim, e muito menos me importar com o que as pessoas pensam sobre isso.

  Olhando para trás, quando eu tinha 9 anos, me apaixonei pelo Pierre Bouvier, primeira paixão platônica a gente nunca esquece. Não me pergunte como conheci Simple Plan, não tinha internet em casa então me contentava com a MTV e as revistas que naquela época ainda focavam em música razoavelmente boa. Com certa de pouco mais de 10 anos de idade estava lendo sobre a vida dele em revistas para pré-adolescentes, descobri que Pierre adorava punk rock e era fã de Sex Pistols, The Clash, R.E.M. e U2. Bandas essas que eram totalmente de outro mundo pra mim. Então, com o intuito de conquistar o Pierre (ai, que vergonha), eu decidi começar a pesquisar mais sobre o assunto, com as ferramentas que tinha em mãos, ou seja, quase nada.
  Mas isso faz muito tempo, e sinceramente eu sinto falta de quando tinha que comprar o CD para ouvir as minhas músicas preferidas, e isso quando o único rádio que tínhamos em casa estava desocupado, sinto falta também de encher meu quarto de posteres que naquela época eram muito mais bonitos e diversificados. Com o passar dos anos meus gostos foram evoluindo e eu fui acrescentando mais conhecimento musical na minha vida.

  Em 2010, quando eu já tinha blog, eu criei uma web novela no orkut, é estilo fanfic, mas naquela época era o máximo que eu conseguia fazer, e muita gente gostou, muita gente mesmo. Fico chocada até hoje com os números que obtive naquela época, chocada com os fan clubes que criavam para mim, e a trilha sonora de tudo isso já era um pouco melhor, Beatles, foi nessa época que conheci minha banda preferida, não lembro direito o enredo da minha história, mas sei que envolvia John Lennon, que na época era meu Beatle preferido. (Que hoje, por algum motivo que não consigo explicar, é o Ringo, mas ainda amo o John.) Mas voltando ao assunto, enquanto a playlist aleatória tocava Beatles, não consegui não pensar em tudo que aconteceu naquela época, eu como eu dava importância para isso, importância para várias garotas que tiravam o dia para ler o que eu escrevia em comunidades femininas do orkut. É tão louco pensar que passava horas em um site que hoje é o maior motivo de vergonha para tantas pessoas.
  Mas o aleatório foi rodando e parou em glee, mais de uma vez, acho que a razão é óbvia, tenho mais músicas de glee do que de qualquer outro artista, mesmo que quase não escute mais. Falar de glee é complicado, acompanho a série desde 2009, juntamente com One Tree Hill sempre foi a minha série preferida, mas de alguma forma glee sempre me pareceu mais pessoal, até hoje tenho amigos que me chamam de Rachel por causa dessa série, quando na verdade, eu nem me esforçava para parecer com ela, afinal, quem quer ser a garota feia e irritante? Mas a personagem cresceu e me ajudou a crescer também. Quando me apaixonei de verdade ( e sem ser platônico.) foi glee que me ajudou a viver isso sem medo. Em 2012 vivi meus dias de glória, fazia parte do fandon de fan clube do glee no  twitter moderava o site oficial do glee no Brasil, não sei como funciona com outras pessoas, mas ver meus ídolos me respondendo, mesmo que virtualmente, me fazia sentir no paraíso. E a série foi também um marco no meu relacionamento de uma forma complicada de explicar. Quando o Cory (ator principal) morreu, me senti desnorteada, mas mais ainda quando eu perdi o cara que amava para a morte, foi um pesadelo e não sabia como me sentir, assistir ou ouvir glee e não lembrar de ambos era impossível, quando perdi o cara que amava, parei de assistir a série. Me afastei porque tudo se tornou complicado demais, acabei perdendo meu melhor amigo também, e me afastando das pessoas que eu mais amava, me tranquei no meu mundinho de dor e deixei tudo acumular, por tempo demais.
  Acho que pela primeira vez na minha vida eu tô parando realmente para analisar e assimilar as coisas. "Racionalmente". Talvez porque o amor ainda não tenha entrado em cena... Talvez porque eu (talvez) tenha conseguido me transformar no que eu tanto ansiava: numa pedra aos olhos alheios.
  Eu tenho medo de amar de novo. Sei que cada caso é um caso, sei que amar é sofrer, mas sei lá, é como se o amor tivesse acabado para mim, e cada música que escuto me faz lembrar de um momento do passado que não consigo deletar, e isso é frustante, é frustante pois sentir demais machuca. Mas não adianta. Não adianta vocês tentarem me convencer do contrário. Eu tenho medo de amar.
  Quando escuto essas músicas
 me vejo ali. O pior é que sei que aquilo é ultrapassado e, de certa forma, equivocado.
  Às vezes quero um relacionamento duradouro, quero poder me casar e ser feliz com a mesma pessoa para sempre. Mas às vezes me pergunto sobre o quanto dessa ideia não é meio surreal e utópica. No momento, me separo entre um lado que quer namorar eternamente uma pessoa e entre um lado Shane McCutcheon, um lado "I don't do relationships" que simplesmente não quer estar preso a ninguém por... na verdade ainda não descobri qual é o motivo. Eu sempre fui a romântica, a fofa, a que quer flores e bichinhos de pelúcia. De repente, renego isso tudo por falta de paciência, por falta de esperanças e por falta de expectativas. E, talvez, por medo de amar.
  E, se por um milagre, alguém surgir na minha vida? Porque a minha vida seria bem capaz de me sacanear desse jeito, me mandando alguém super legal logo assim que eu decidir: não, agora eu não quero ficar com ninguém a sério... Eu vou recusar? Vou dizer: "Olha, você é o máximo, mas eu não quero te magoar, então acho melhor não acontecer nada entre a gente"? Acho essa frase terrível, mas agora realmente entendo quem a diz.
  Esse texto não tem valor literário, é um desabafo que precisava fazer para ordenar meus pensamentos. Então, por favor, eu espero que vocês não me julguem. Eu estou muito confusa no momento e, acreditem, essa coisa de não querer namorar é algo inteiramente novo na minha vida - e, como tudo o que é novo, é assustador.
  Há uns 5 anos atrás, quando eu fazia aula de violão minha professor me dizia que minha música era “Metamorfose Ambulante”, do Raul Seixas. Eu realmente mudo bastante de opinião, e se hoje te odeio, dependendo do motivo pelo qual te odeio, é provável que eu lhe tenha amor amanhã.
  Esse ano foi de mil mudanças. Que, convenhamos, foram um inferno. Terminar um namoro de forma trágica cinco dias antes do ano começar, e perder o melhor amigo na véspera do meu aniversário (que por sinal, é no dia primeiro de janeiro), e entrar em uma depressão silenciosa depois disso não foi o jeito que eu planejava começar o ano.  Minha perda de memória infelizmente não mudou, então não lembro de outras mudanças, apesar de saber que elas aconteceram. E outras várias estão acontecendo nesse exato segundo. Não sei mais qual é a minha posição sobre o amor – eu não faço ideia se acredito inteiramente, se acredito com restrições ou se não acredito nunca mais -, não sei mais qual é meu conceito de felicidade, não sei muitas coisas agora. Sei que meu guarda roupa precisa de uma reforma urgente, já que no escritório vai começar a politica de roupa social todos os dias, ever, aliás, isso também é muito louco, pensar que dois anos atrás cheguei atrasada na minha entrevista para um programa de aprendizagem, e depois disso fui contratada e depois disso ainda fui promovida. Não faz muito sentido ainda.
  Sempre ouvi dizer que Deus escreve certo por linhas tortas. Eu pedi pra ser feliz, tendo uma coisa específica em mente, como se essa tal coisa fosse a minha felicidade. Bem, aparentemente, o Supremo não atendeu o meu pedido pra coisa específica, mas talvez ele só esteja atendendo o meu pedido maior: ser feliz. Ou talvez ele nem tenha escutado, não quero entrar em questões religiosas aqui, mas talvez ele nem exista.
  Enfim, essa é mais uma das dezenas de dúvidas que rondam minha mente e coração nesse momento, e em todos os momentos nesses últimos meses, que caramba, foram os piores da minha vida.
  Por outro lado o blog está crescendo, mas melhor do que crescendo, ele está sendo cada vez mais pessoal, como era antes. E escrever aqui dessa forma é um alivio, sei que com isso as estatísticas vão cair, mas não me importo, não me importo se ninguém não se importar com o que eu escrevo. Me faz bem, alivia minha alma por algum tempo, ao menos, e é isso que eu preciso.
  Mas esse desabafo está grande demais e ainda tem muita coisa acumulada, mas essas ficam para uma próxima.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Semana:02 (Cores e sabores).

  Olá pessoal! Finalmente estou aqui para falar sobre o novo projeto fotográfico do blog, o mesmo que eu já tinha comentado que seria com as mesmas blogueiras que estavam comigo no projeto talk!
  Serão cinco fotos por post, toda a sexta-feira durante um ano.
  Para ser bem sincera com vocês, o projeto é para ir ao ar durante 52 semanas, todavia aqui no blog só serão postadas 51 semanas por motivos de que estou um tanto atrasada. Sexta passada o projeto começou mas o blog ainda estava em reforma, então para não deixar desorganizado demais, vou começar hoje mesmo e usar o tema estipulado para essa semana: Cores e sabores.
  Eu corri para conseguir organizar todas as fotos hoje, é rara as ocasiões que como algo elaborado, por isso vamos ver alimentos bem comuns aqui haha, vamos conferir?

(Panqueca doce.)
(Cupcake <3)
(Cupcake <3)
(Vício.)
(Outro vício. O maior de todos.)
  É isso gente, infelizmente as fotos não ficaram exatamente do jeito que eu desejava, não tirei todas com a nikon e infelizmente o meu celular não é tão bom assim, mas de alguma forma, eu gostei do resultado. Espero que vocês tenham gostado também!
  Para ficar mais legal a Vanessa que também está no projeto deu a ideia de só falarmos o tema no dia da postagem, assim a cada semana novas surpresas para vocês!
  Beijos!

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Segure minha asa.

   Finalmente uma resenha pela qual eu ansiava escrever, primeiro pelo simples motivo de que o livro me surpreendeu de uma maneira que eu jamais imaginei que seria possível, segundo que uma simples resenha, sincera e feita de coração, é a minha forma de agradecer ao Marco, um autor novato, Brasileiro, que com muito orgulho posso dizer que passou de apenas mais uma pessoa dos meus contatos do facebook e se tornou um amigo, um amigo distante, confesso, mas que eu sei que posso contar, que posso conversar e juntos entrarmos em mundos mágicos com nossa imaginação e amor pela leitura. Ele escreve muito bem, e não "bem pela sua idade." mas bem, simples e fácil assim. Vamos a resenha?

  Sinopse: "Simon Bacquet é um rapaz desacreditado por sua família em Vídel. O céu escurece, levando o seu irmão a uma importuna viagem ao Texas. Um Stalker raciona todos os medos vindos dos dois. Agora eles terão de contar com seus aliados, em uma luta entre a insanidade e o amor próprio, vestido por um veludo negro em uma energia que o faz voar para o infinito."
  Opinião: Foi o primeiro livro que eu li em PDF, pelo celular, nunca consegui trocar a magia que as páginas de um livro proporcionam, mas não resisti, esperar por um livro impresso não era possível, visto que minha ansiedade era sem limites. E nem foi assim tão complicado, Marco soube me entreter ao ponto de que a forma que a leitura era realizada passou a ser insignificante. Eu só queria mesmo era desvendar todos os mistérios que ali estavam presos.
  Simom me lembrou um pouco o Charlie, de As vantagens de ser invisível, mas isso se deve ao fato de que ambos os livros são narrados em formas de carta, enquanto Charlie escrevia para um amigo desconhecido, o Simom as escrevia para seu irmão, o motivo você só saberá se ler o livro, mas garanto que é de emocionar. 
  Ele e o irmão faziam parte de um seriado de TV americana, mas a vida deles deu uma reviravolta quando uma pessoa misteriosa decide seguir cada passo dos garotos, destruindo relações e sentimentos, conhecido como Surprise, o Stalker trata de manipular os garotos como suas marionetes. Mas por qual motivo? Com qual objetivo afinal? É essa a missão de Simom, descobrir quem é o maníaco que o persegue, as razões por ele fazer isso e dar um jeito de acabar logo com todo esse mistério.
  Mas como toda boa história de suspense, as coisas não são tão fáceis e Simom passa por dificuldades que o deixam confuso e extremamente cansado, a ponto de desistir de lutar nessa guerra que parecia interminável. Ao decorrer da história ele se apaixona e desapaixona, cresce e amadurece, faz amigos e desfaz as amizades com a mesma facilidade, mas ele tem um bom motivo: Como confiar em alguém, quando algo que sabe tudo sobre você te persegue?   E com isso gera apenas mais conflitos para o personagem, além de descobrir quem está do seu lado ou não, ele deverá se esforçar para manter aqueles que ama por perto.
  Os personagens são fáceis de se apegar, o único ponto negativo é que a história é curta demais e nos deixa com aquela vontade de quero mais, quero conhecer mais, temer mais, pensar mais, amar mais, ler mais.
  

(A prova de que é o único livro no meu celular u.u)

  Para saber mais sobre o Marco e o livro basta clicar aqui. Espero que tenham gostado da resenha, até breve!
  Beijos!



domingo, 22 de junho de 2014

É hora de mudanças.

 
  Quando comecei a escrever em um blog, eu tinha cerca de 12 anos, não me recordo exatamente sobre o que eu escrevia, mas me lembro que tinha muita influência musical em todas as palavras que eu postava ali. Infelizmente não consigo recordar o nome e muito menos o endereço desse blog antigo, mas recentemente encontrei um que eu costumava escrever entre os meus 13 e 14 anos, o layout era um dos que o blogger disponibiliza e estava extremamente desorganizado, os posts eram sempre curtos e geralmente no mesmo horário, era uma época em que eu dependia da lan-house para me comunicar com o mundo. Se eu tinha cem seguidores era muito, e realmente era até quase milagroso, não me entendam mal, mas o blog era ruim mesmo. Erros de ortografia e sentimentos exagerados, seria motivo de vergonha para muitos, mas eu simplesmente acho graça no que eu costumava pensar e escrever naquela época, que convenhamos, nem faz tanto tempo assim.
  Aos 15 anos esse blog aqui surgiu, mas com outro nome, o layout melhorado, feito por um dos meus melhores amigos, os anos se passaram e eu nunca mudei, gostava dele, era simples e no meu ponto de vista, bonito, mas com o passar dos anos,fui me enjoando, o blog mudou de nome, mudou de URL, eu mudei, mas a aparência continuava a mesma. Sempre.
  Ano passado, para ser mais precisa, no dia 31 de janeiro de 2013, esse meu amigo faleceu, depois disso custei a aceitar a ideia de mudar algo no blog, algo concedido por ele. Sei que isso pode parecer confuso visto de fora, mas acreditem, até para mim é confuso, esses sentimentos acontecem aqui dentro, mas isso não significa que eu os compreenda.
  O blog começou a crescer mais do que eu esperava que seria possível, não sei como funciona com outras pessoas, mas cada vez que eu leio um recado no facebook ou uma question no ask ou tumblr com algo mais ou menos como: "Amei o seu texto, me identifiquei. Torço por você." ou qualquer coisa parecida é um novo sentimento que surge dentro de mim, geralmente é algo parecido com a sensação de estar voando em queda livre sem perigo algum, é bom e não parece real. E pensando em todo o progresso que o blog vem tendo, tenho que dizer que ainda mais emocionante do que receber recados em qualquer rede social, é ter o reconhecimento cara a cara, toda vez que alguma amiga me abraça e disse que amou algo que eu escrevi, ou então que alguém chega em mim em algum evento literário me perguntando como faz para ter um botton do blog, e até mesmo quando simplesmente alguém chega em mim em algum evento e diz que acha meu blog legal, e pede para que eu nunca desista. Sinceramente, eu não poderia querer nada além disso.
  Acho que foi por isso que decidi tomar coragem e mandar um e-mail para a fofa da Aléxia, que por sua vez foi extremamente gentil e paciente comigo, e em poucos dias ela deixou o blog com uma cara nova, com uma cara mais minha. E claro, a Larissa  que mais uma vez me surpreendeu com suas ilustrações maravilhosas.
  O blog ficou fora do ar por uns dias, ficou fora do ar pois me senti na obrigação de cuidar de cada detalhe, de deixar um pedacinho de mim em cada parte, pois devo isso a vocês, especialmente a todas as pessoas que notaram isso e vieram perguntar quando voltaria ou o motivo delas não conseguirem mais visualizar nenhuma postagem. Saber que vocês realmente se importam, que vocês realmente perdem certo tempo da vida de vocês visitando e lendo as coisas que tenho a dizer é gratificante. É especial.
  Acho que por isso reservei duas seções, uma sobre mim e outra sobre a história desse blog e afinal, o motivo de eu escrever nele todos os dias (mesmo não atualizando todos os dias.) Na aba de Redes sociais deixo com vocês uma pequena prévia do que vão encontrar por lá, afinal, assim fica mais fácil para suprir o desejo de cada um, a blogroll ainda está incompleta, confesso, mas juro que ainda colocarei todos os blogs que sigo/visito/amo diariamente ali. E na seção faça parte, uma novidade que sei que vocês vão gostar, pois é algo que muitas pedem para mim diariamente, agora além da tag sentimento do mundo, o blog está abrindo vagas para colaboradores semanais e/ou mensais, então para todas que me perguntavam se um dia isso existiria aqui no blog, as inscrições estão abertas.
  Sem mais delongas, o blog está de volta, com cara nova, em breve com novos conteúdos e muito mais interatividade de vocês. Espero que gostem, de coração.
  Um beijo!


domingo, 15 de junho de 2014

MARATONA LITERÁRIA!

  
  Confesso que fiquei afastada do blog por conta dessa maratona, ela sugou todos os meus minutos extras, mas não foi o simples desejo de completar ela a tempo, a verdade é que todos os livros me conquistaram de uma forma que se torna complicado explicar o quanto fazer parte dessa loucura toda valeu a pena.
  O desafio chegou ao final e eu consegui ler todos os livros, e agora que chegamos ao final, antes de postar a resenha de cada um deles eu devo colocar uma música para cada livro. Não foi tão complicado, afinal, a música e a leitura são as minhas paixões mais verdadeiras, e unir os enredos com as letras e melodias não foi difícil.
  Vamos conferir as minhas escolhas então?


01:  O semeador de idéias (Augusto Cury) 
Música: What if God was one of us (Alanis Morissette)
Trecho: E se Deus fosse um de nós? Apenas um vagabundo como um de nós? Apenas um estranho no ônibus tentando ir pra casa. Se Deus tivesse um rosto, com o que pareceria? E você iria querer ver, se visse teria que acreditar.



02: A garota que eu quero (Markus Zusak)
Música: I want to hold your hand (The Beatles)
Trecho: Oh, por favor, me diga que você me deixará ser o seu homem. E por favor, me diga, que você me deixará segurar a sua mão.

03: Morte súbita (J.K. Rowling)
Música: Turncoat  (Anti-Flag)
Trecho: As mentiras de estado disfarçaram como notícia de noite. (Nós estamos cansados de mentiras, nós queremos a verdade).

04: Shada (Douglas Adams)
Música: Doctor What? (
Charlie Mcdonnell)
Trecho: Ele é chamado de doutor, mas doutor o quê? Acho que ele é um marciano e eu sei que isso é uma possibilidade remota. Doutor, mas doutor quando? Vou ver que se voltar aos tempos pré-históricos, lá está ele novamente, bem, isso é o doutor. Mas doutor como? Ele salva o planeta o tempo todo, mas nunca para. Oh Sr. Doutor, Doctor Who.. E o mais importante Doutor, como posso encontrá-lo?

05: 50 anos a mil (Lobão)
Música: Os tipos que eu não fui ( Lobão)
Trecho: Eu sou o amor, eu sou a guerra, eu sou o arco, eu sou a flecha.

06: A guerra dos tronos, As crônicas de gelo e fogo (George Martin)
Música : Black (
Pearl Jam )
Trecho: Todos os cinco horizontes girando ao redor de sua alma. Como a terra ao redor do sol, agora o ar que provei e respirei mudou de rumo.

07: Will e Will John Green e David Levithan)
Música: Me abraça  (Ls Jack)
Trecho: Mal começou e eu já estou com saudades, me abraça, me aceita assim, meu amor. Me abraça, me beija, me aceita assim como eu sou, me deixa ser, o que for.

E só para deixar bem claro, a música Doctor What na verdade é só uma música feita por um fã para a série Doctor Who, para quem não sabe Charlie é um vlogueiro hehe. E foi isso, gostaram das músicas? Entre os livros citados aqui, querem ver qual resenha primeiro? Beijos!






quinta-feira, 12 de junho de 2014

Halloween on Valentine's Day.

  Estava ouvindo uma das minhas músicas preferidas, de uma das minhas bandas preferidas (Blink 182 - I miss you) e enquanto escutava e cantava junto  o trecho "We can live like Jack and Sally if we want, where you can always find me and we'll have Halloween on Christmas, and in the night we'll wish this never ends /  Nós podemos viver como Jack e Sally se quisermos, onde você pode sempre me encontrar, e teremos Halloween no natal e de noite desejaremos que isso nunca acabe." me dei conta de que tinha um look pendente com um cachecol extremamente fofo de um dos meus personagens animados preferidos. E eu simplesmente amo essa música, pois sou extremamente apaixonada pelo (como conhecemos) O estranho mundo de Jack.
  E não estamos no natal, mas é dia dos namorados certo? Então venha comigo comemorar o dia das bruxas em uma data diferente..





  Jaqueta com detalhes de vinil / Black Roses: R$95,99
  Bota/ Fock Store: R$75,00
  Cachecol Jack / Loja Mundo Geek: R$59.99

  E é isso pessoal, espero que tenham gostado do look, desconsiderem a minha cara nas fotos tá? Tá.
  Beijos!


domingo, 8 de junho de 2014

Maratona literária! (sete livros em quinze dias.)

  Olá pessoal! Demorei um pouco pois nos últimos dias tinha um monte de livros para devorar, e ainda tenho. A maratona "Eu sou doideira" criada pelo Matheus do blog Carneirismo consiste em ler sete livros em quinze dias e no final escolher uma música para cada livro. Então no dia 15 de junho (próximo domingo) aqui no blog estará uma pequena opinião sobre todos os livros lidos e as músicas que mais se encaixam com cada um deles, e no decorrer dos dias cada livro terá sua resenha mais detalhada. Se você tiver curiosidade para conhecer os blogs que estão nesse projeto junto comigo basta clicar aqui.
  Eu tenho muitos livros que nunca foram lidos em minha estante, outros tantos para resenha, livros que me emprestam e eu procrastino e devolvo sem terminar e ainda mais aqueles que eu desejo ler mas nem comprei ainda, as vezes culpo a preguiça, outras tantas a falta de tempo, e ainda tenho uma gigante dificuldade em começar um livro após terminar outro que tenha me cativado com suas histórias e personagens marcantes. Pois é, ser leitor não é fácil, e escolher os sete livros também não foi. Pedi ajuda para um dos meus melhores amigos e optamos por cada um escolher os livros que o outro leria. E assim surgiu a minha lista.
  Como já tem uns dias que a maratona começou, consegui terminar alguns já, vamos ver como minha lista está?
  
01 - O semeador de idéias (Augusto Cury) - Terminado.
02 - A garota que eu quero (Markus Zusak) - Terminado.
03 - Morte súbita (J.K. Rowling) - Não comecei.
04 - Shada (Douglas Adams) - Não comecei.
05 - 50 anos a mil (Lobão) - Não comecei.
06 - A guerra dos tronos,  As crônicas de gelo e fogo (George Martin) - Lendo.
07 - Will e Will (John Green e David Levithan) - Não comecei.

  (Para ser bem sincera com vocês, o último livro era para ser A seleção, mas a Saraiva está demorando mais que o prazo estimado para efetuar a entrega, então se chegar primeiro, será ele, ou até mesmo os dois (A seleção e Will e Will), mas vamos ver como vai ficar no final. Mudei também um livro da lista que meu amigo fez, ele optou por O teorema Katherine, pois ele é apaixonado por esse livro, mas como eu já tinha começado ele antes e não consegui terminar, optei por escolher Shada, que é um livro que preciso resenhar e estava louca para ler)
  Se você é um dos blogs da maratona, comente como está indo sua leitura, caso você não tenha conseguido dessa vez, fique de olho no blog do Matheus que sem dúvidas em breve terá maratonas tão legais quanto essa. Mas e aí, vocês já lerão os livros que eu estou lendo e terei que ler nessa semana? O que acharam deles? Me contem tudo!
  Beijos!

  

terça-feira, 3 de junho de 2014

PROJETO TALK: Tema livre!

  Olá pessoal! Mais uma vez trago para vocês o projeto talk, só que dessa vez o tema era livre.
  Fiquei horas pensando sobre o que falar, que temas agradariam vocês, afinal? Confesso que minha decisão fugiu do de costume e essa postagem provavelmente não vai agradar a muitos. Mas é algo que eu precisava falar, que já está engasgado em mim tem muito tempo.
  Quando te perguntam quem é seu ídolo, o que você pensa? O que essa pessoa fez para receber a sua admiração? Você o ama? E as pessoas, as pessoas ao seu redor aceitam isso bem? Pois comigo não.
  "Quem é seu ídolo?" É uma pergunta que por algum motivo muitos adolescente escutam bastante, acho que pela razão de muitos acharem que somos os reflexos de nossos artistas preferidos, e eu tenho a resposta sempre na ponta da língua: "Sou fã da Kristen Stewart." Simples, fácil, Só que não. O que vem a seguir que é o chato, que é o que irrita, o tal "A garota que fez crepúsculo né?" "Ela é tão sem sal" e/ou "Ela não tem expressão, não sabe sorrir."
  Em geral eu apenas concordo com um sim, ela fez a Bella, e em pensamento discordo com um "Não, ela não é sem sal, ela tem um sorriso cativante, estonteante e encantador."
  Não culpo as pessoas, de fato o papel na saga de vampiros foi o grande destaque que impulsionou sua carreira de atriz, mas ter o pensamento que ela só fez esse filme, que ela é rica e famosa por causa desses cinco filmes da saga e que é uma péssima atriz pela personagem ser sem sal já é um tanto demais para mim. Kristen foi descoberta por um agente que a viu cantar a música “The Dreidel Song” em uma festa natalina em sua escola. O agente entrou em contato com seus pais que no princípio ficaram indecisos quanto a manda-la para testes pois sabiam o que a vida de estrela inclui. Mas ela, com apenas oito anos de idade, foi persistente e decidiu ir em frente. Sua carreira começou com pequenas aparições na tv, uma delas um comercial do carro da marca Porche. Sua primeira aparição em filmes foi em pequenos momentos nos filmes "The Thirteenth Year" e "The Flintstones in Viva Rock Vegas". Aos onze anos a Kristen conseguiu um papel no filme independente "The Safety of Objects". Mas sua chance de se destacar mesmo apareceu quando depois ela conseguiu um papel em "O quarto do pânico" junto com a atriz Jodie Foster, no qual foi um sucesso. No ano seguinte ela participou do filme "Garganta do Diabo", depois fez "Catch that Kid" no qual foi o primeiro filme que ela foi protagonista, em seguida ela fez o filme "Undertow". Em 2004 ela foi protagonista no filme "O silêncio de Melinda" que é um de meus favoritos, o que me fez de fato virar fã de seu trabalho, ela conseguiu colocar uma emoção real nesse filme (Que todos deveriam ver.), quando me sinto mal, quando me recordo de todas as coisas que já sofri, quando fico com medo de impor a minha voz, é esse filme que eu assisto, e ter ela no papel principal superando cada desafio me ajuda e muito, o filme aborda o tema de abuso sexual e o famoso bullying, só que sem ser clichê, o filme é sério e emocionante.
 Após se firmar sua carreira como atriz, deixou a escola e optou por estudar em casa. E ela adorou a ideia, já que não gostava muito, pois nunca foi bem aceita e sofria com os colegas que constantemente a perturbavam. “Quando tinha que sair por questões de trabalho, os professores me davam só uma parte do trabalho escolar e quando eu chegava eles brigavam comigo. Dei muito trabalho pra eles: Lembram de mim com muito rancor”, disse. “Fiquei muito contente em sair.” Em 2006, participou dos filmes "Zathura: Uma Aventura Espacial" e "Sociedade Feroz". Em 2007, atuou no romance "Eu e as Mulheres", e também participou de um curta "Cutlass". Depois disso, conseguiu um papel no filme "Na Natureza Selvagem" que foi um sucesso, depois participou de "Doces Encontros" e em seguida veio o fenômeno "Crepúsculo", "The Runaways"  e "Branca de neve e o caçador."
  Entre esses trabalhos, participação em alguns clipes e dezenas de ensaios de moda e programas de TV. Ainda dá pra falar que ela só atuou como a Bella?
  Por anos eu usei o fake, muitos sabem disso, nunca fingi ser ninguém, apenas escondia meu rosto e usava a Kristen em meu lugar, ano passado meu ask.fm usando o shape da Kristen me fez perceber o quanto algumas pessoas são desnecessárias. As vezes eu ficava pensando o que leva uma pessoa a ser tão invejosa a ponto de ir no ask de outra pessoa para falar mal do ídolo dela, Kristen nunca foi sem sal como cansei de ler, ela é tão gostosa que sempre está nas listas de mais sexy, entre várias outras listas, mas obviamente quem fazia aquelas coisas era ignorante demais para saber disso não é?  E sobre ela não ter expressão e não sorrir, fiz questão de deixar no topo desse post as minhas fotos preferidas dela, seu sorriso, seu jeito introspectivo e sexy ao mesmo tempo, e toda a sua perfeição.
  Eu cresci junto a ela, e se não fosse por ela eu não seria a pessoa que sou hoje, foi ela quem me ensinou a não me importar com o que os outros pensam a meu respeito, a lutar pelos meus ideias e dar a cara a tapa para defender tudo que acredito, dentre várias outras coisas. Muito mais que a Bella Swan ou qualquer outro personagem, Stew é melhor do que se pode imaginar, um ser humano incrível, engraçada, talentosa, inteligente, uma deusa, que transpira ambição e empatia.Tenho um orgulho gigantesco por esta mulher, por tudo que ela fez, tudo que ela conquistou e que foi mérito só dela e de mais ninguém, ela lutou por tudo que queria e conseguiu. E apesar de muitas pessoas terem uma ideia vaga sobre ela, odiarem ela sem motivos, eu a conheço o suficiente para saber o quão especial ela é, que ela atingiu o seu maior potencial sendo ela mesma e mostrou ao mundo que não é preciso ser alta, "gostosona", ter cabelos perfeitos e uma vida de faz de conta, que apenas com uma vida humilde e ser fiel a si mesma, é possível ser considerada uma das mulheres mais ricas de Hollywood e ela consegue ser maravilhosamente perfeita com um cabelo bagunçado, uma blusa rasgada e sendo baixinha. Ela é capaz de inspirar e ser modelo para várias garotas com problemas de auto estima, tímidas, que são humilhadas por seu estilo de se vestir, pensar ou até mesmo de viver. Para mim não há maior alegria do que ter tido a chance de acompanhar o crescimento dela durante todo esse tempo, e continuarei acompanhando por mais tempo ainda. Apesar de muitas pessoas rotularem ela como sem expressão, feia, sem sal, dentre outras mil coisas que não são verdade, eu não me importo, porque eu sei o real valor que ela tem e o quão maravilhosa ela é, os bons nunca são compreendidos de qualquer forma. Enfim, estou cansada de ter que explicar os motivos do meu amor por ela, e não, eu não sou fã de crepúsculo, eu sou fã da mulher que mudou a minha vida e me inspira. E sim, eu a amo, muito.
  E eu realmente duvido muito que alguém leu isso até este ponto, caso você. tenha feito, meus sinceros agradecimentos.
 Um beijo!

(O projeto talk surgiu da ideia de um grupo de blogueiras amigas discutirem assuntos diversos, toda semana falamos sobre temas aleatórios, do ponto de vista de cada uma de nós, que temos personalidades e gostos distintos. Infelizmente esse projeto chegou ao fim com este post. Fiquem de olho no blog da Isa e da Vanessa que fizeram parte desse projeto e muito em breve estarão comigo em mais um projeto que eu sei que vocês vão gostar!)


domingo, 1 de junho de 2014

Projeto: Book Colors (01 - Azul)

    Olá pessoal! Como vocês estão?
   Fico feliz em saber que muitos comentaram estar ansiosos para meus projetos de fotografia, e aqui está o primeiro deles! O Book Colors.
   O projeto Book Colors surgiu da ideia de juntar os livros, as cores e a fotografia. Todo mês, seis blogueiras irão postar fotos de livros com a cor escolhida. Esse primeiro mês escolhemos azul! Eu tinha tirado fotos divertidas e diferentes, mas infelizmente meu cartão de memória as deletou sem a minha permissão, então tive que tirar fotos não tão elaboradas assim, mas de todo coração. Vamos conferir?







    
  Eu fiquei na dúvida se valia colocar a HQ do Superman, mas era ele ou A culpa é das estrelas, e como já tinha colocado um do John Green, optei por deixar a HQ mesmo!
  Os blogs participantes do projeto são: Percepções, Capsula de banca, Borboletas literárias, Ressacas literárias e Sem querer me intrometer Sugiro que fiquem de olho nas postagens delas também, que assim como eu, fazem tudo com todo o amor do mundo!

© CAPRICATI © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. DESIGN E PROGRAMAÇÃO POR DESIGNLC. imagem-logo